escritas e falares da nossa língua


terça-feira, janeiro 03, 2012

a nova ortografia da Língua Portuguesa

eu já compreendi que em questão de Acordo ortográfico, o problema não é a nova ortografia, mas sim o facto de ser um acordo entre dois países que partilham a mesma Língua. e como nós já nascemos "donos" dela, esquecendo que antes de nós estão os galegos, e connosco a partilham outros, então qualquer acordo, fosse com quem fosse, seria uma subserviência, uma queda de um pedestal imaginário. o assunto está resolvido e, felizmente, resolvido da única maneira possível: como sempre, em qualquer área normativa, através das Academias com competência para o ter feito. teria sido trágico para a Língua Portuguesa, como instrumento de comunicação e trabalho internacional, que se tivesse cedido às diatribes de quem nem sequer fez um esforço para ler o Acordo e para o compreender e conhecer. os exemplos de críticas sem fundamento e fora de propósito são mais do que a regra. a repetição de inverdades e invenções ridículas enjoa. o cheiro a aversão a tudo o que é brasileiro perpassa por todas as discussões sobre o assunto. sim, porque nós, que em tudo o mais nos consideramos inferiores aos outros, e até falamos Inglês para parecermos melhor, em matéria de Língua Portuguesa é que sabemos, nós é que falamos bem, nós é que escrevemos bem, nós é que. e se tivéssemos ficado de fora, com o nosso chauvinismo, o nosso isolacionismo e o nosso incompreensível antibrasileirismo, não seríamos, daqui a meia dúzia de anos, mais do que uns pategos dialetais a quem ninguém daria mais importância que a que se dá a um holandês ou dinamarquês ou maltês ou checo quando se exprime na sua respeitável Língua. ninguém, nem sequer aqueles falantes que, por agora, ainda se dão ao trabalho de nos seguir. porque a atração pelo gigante brasileiro é uma atração inevitável. hoje, conseguimos um acordo. amanhã, os brasileiros te-lo-iam dispensado. eles e os que hoje ainda nos seguem. passavam muito melhor sem nós do que nós sem eles. salvámos, pois, a Língua portuguesa de Portugal de desaparecer do mapa da importância internacional. estamos de parabéns.
e, pela parte que me toca, não posso esconder o orgulho de, neste assunto, ter estado sempre do lado certo.

13 Comments:

  • Bem falado! as celeumas foram imensas; muitos galegos (obrigado pela referência à nossa parçaria!) sabemos disto desde os anos 80, quando participamos nas negociações do não vigorado AO do Rio (1986), como mais tarde no AO de Lisboa (1990), em cujo texto deixamos duas formosas palavras "galegas", que são do património comum (na Base XI 2° a); é claro: a língua nasceu a N e a S da Raia: esse é o seu berço: por que negá-lo? ela não "pertence" a ninguém: como a terra, é de quem a trabalha!

    saudinha! e uma aperta galega,

    Carlos Durão

    By Blogger Carlos Durão, at 7:02 da manhã  

  • parabéns por este texto e desafio o autor a visitar o nosso blogue http://coloquioslusofonia.blogspot.com/ e a página da AICL www.lusofonias.net
    Chrys Chrystello

    By Blogger associação internacional colóquios da lusofonia, at 1:04 da tarde  

  • muito obrigado pela distinção.
    saudinha e um abraço português.

    By Blogger o viajante, at 1:28 da tarde  

  • nós é que agradecemos em nome da língua de todos nós...Etimologicamente, Lusofonia significa fala dos lusos, mas na nossa definição cabem todos quantos falam, escrevem e trabalham a língua, independentemente da cor, credo, religião ou nacionalidade. Nela incluiremos todos os que têm o português como língua materna ou oficial. Lusófonos seremos, portanto, todos nós quantos, falando a língua de Camões, sentimos que algo temos em comum, de idêntico mas também de diferente de todos os outros que habitualmente falam outra língua e com ela se identificam. A nossa definição de Lusofonia será sempre um diálogo nessa secular língua que todos nós falamos, incluindo o conjunto dos oito países de língua oficial portuguesa e suas correspondentes identidades culturais, bem como todas as Regiões em que a língua portuguesa é também utilizada como língua materna ou de património e incluindo todos aqueles que consideram como sua própria a língua portuguesa (mesmo que seja língua segunda, terceira, etc.)».

    By Blogger Chrys Chrystello, at 1:32 da tarde  

  • transcrevo de historial dos colóquios

    http://www.lusofonias.eu/20120108239/aicl/historia-dos-coloquios.html

    Os Colóquios são uma prova insofismável de que tudo é possível com custos mínimos desde que se dê liberdade às pessoas para criarem no seio da nossa associação projetos com os quais se identifiquem e que se destinam a pensar e debater amplamente, de forma científica, a nossa fala comum: a Língua Portuguesa de forma conducente ao reforço dos laços entre os lusofalantes – no plano linguístico, cultural, social, económico e político – na defesa, preservação, ensino e divulgação da língua portuguesa e todas as suas variantes. Em defesa da Lusofonia, defendemos a nossa identidade como pessoas e povos, e em prol da variada língua comum com todas as suas variantes e idiossincrasias, impedindo que outras culturas e outros povos nos dominem cultural, económica ou politicamente, como alguns, ostensiva e claramente, defendem

    By Blogger Chrys Chrystello, at 1:36 da tarde  

  • caro Chrys,
    tenho seguido regularmente a atividade dos Colóquios.
    parabéns a todos vós.
    penso aderir brevemente à AI Colóquios da Lusofonia.
    um abraço.

    By Blogger o viajante, at 1:42 da tarde  

  • e nós teremos todo o gosto em tê-lo como orador e/ou presencial num dos próximos na Lagoa em abril ou na Galiza em outubro XVII Colóquio LAGOA - AÇORES 2012
    http:www.lusofonia2002.com.sapo.pt
    ou
    http://www.lusofonias.eu/index.php?option=com_content&view=category&id=95&Itemid=455

    By Blogger Chrys Chrystello, at 2:19 da tarde  

  • obrigado eu/nós, do N; poderia pedir aos leitores assinar esta petição (que se explica por si mesma)?

    http://www.gopetition.com/petitions/petição-carta-aberta-a-paulo-portas-ministro-dos-neg.html

    (para nós é da máxima importância)

    By Blogger Carlos Durão, at 4:06 da tarde  

  • Carlos Durão, caro,
    fui dos primeiros a assinar essa petição e a divulgá-la.
    Espero que faça bom caminho, embora esta gente daqui ande a dormir...

    By Blogger o viajante, at 6:01 da tarde  

  • caro Chrys,
    a Galiza fica-me mais perto que os Açores. embora não seja um frequentador das ribaltas e sempre tenha preferido a discrição e um certo anonimato, qualquer dia aparecerei. mais para ver que para ser visto.
    um abraço.
    José Cunha-Oliveira

    By Blogger o viajante, at 6:40 da tarde  

  • aproveito para dar a conhecer a minha atividade na net:

    http://falaresdanossalingua.blogspot.com

    http://toponimialusitana.blogspot.com

    http://www.facebook.com/group.php?gid=367844474926

    http://doaltodaminhagvea.blogpot.com

    http://az-90.no.comunidades.net/

    http://glossariotoponimiagpb.blogspot.com/

    http://jalaestive.blogspot.com/

    By Blogger o viajante, at 6:48 da tarde  

  • e: http://www.facebook.com/jose.cunha.eu

    By Blogger o viajante, at 7:12 da tarde  

  • muito obrigado, José, tomei nota das (poucas) ligações que não conhecia, entrei num grupo do FB, mas ao tentar entrar em "friends" diz-me "Sorry, this user has already reached the maximum number of friends"; fico então como amigo por aqui: afinal temos montes de amigos em comum!
    aperta!

    Carlos

    By Blogger Carlos Durão, at 8:18 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home